Olá brisa do mar!

Como sabes, vivo numa quinta biológica. Contudo, e para ser franca contigo, antes de me mudar para aqui quase não comprava alimentos biológicos. Porquê?

  • São (mais) caros
  • Não estão disponíveis em todo o lado
  • Não sentia que podia estar a comprometer a minha saúde

O facto de ver o meu namorado a trabalhar na quinta e de me envolver em algumas actividades fez-me chegar à conclusão do motivo para os alimentos biológicos serem mais caros e dos seus benefícios. Então porquê escolher biológico?

 

1. Sem químicos tóxicos

Na agricultura convencional os fertilizantes químicos tóxicos são usados para aumentar a produção das culturas e para influenciar o tamanho da fruta (lembras-te daquela grande peça de fruta que compraste no outro dia no supermercado?). Os pesticidas tóxicos são também usados para matar insectos, mas acabam também por matar polinizadores muito necessários, como é o caso das abelhas.

A agricultura biológica não usa químicos tóxicos. Respeita os ciclos da natureza e a sua dinâmica ao levar ao/à consumidor/a um produto que cresceu ao seu próprio ritmo e em harmonia com as outras espécies, sejam plantas ou insectos.

Se quiseres obter mais informação acerca daquilo que andas a comer, podes consultar o website do EWG onde irás conhecer o Guia do/a Consumidor/a para os Pesticidas nos Produtos 2016 (Dirty 12 e Clean 15).

 

2. Sem OGM

Os organismos geneticamente modificados (OGM) são produzidos em laboratório através de métodos que misturam informação genética de espécies que não são compatíveis sexualmente (um gene de peixe pode ser introduzido num tomate!), mas na prática esta tecnologia também envolve o uso de sequências de ADN sintético), resultando numa combinação completamente nova, não testada pela natureza em qualquer organismo ou ecossistema*.

Quase 100% das culturas GM apresenta as seguintes características transgénicas:

  • Tolerância a um herbicida (já ouviste falar do Roundup?), ou seja, o/a agricultor pode aplicar o herbicida sem colocar em risco a cultura
  • Resistência aos insectos porque a própria planta produz o insecticida
  • Uma combinação dos dois*.

Até meados de 2011, a União Europeia aprovou a importação e comercialização de plantas transgénicas em sete espécies: soja, milho, colza, beterraba, algodão, batata e cravos. Nos Estados Unidos a lista é mais extensa, também incluindo papaia, meloa e ameixa*.

 

3. Sem antibióticos e hormonas nos produtos animais

Quando compras carne e lacticinios biológicos sabes que os animais foram criados num ambiente saudável, com espaço para se mexerem, foram alimentados com rações sem OGM e não tomaram nenhuns antibióticos ou hormonas. 

De acordo com o Centro Norte-Americano para Controlo e Prevenção de Doenças, o uso generalizado de antibióticos “contribui para a emergência de bactérias resistentes a antibióticos em animais destinados à alimentação humana. Estas bactérias resistentes podem contaminar os alimentos que vêm desses animais, e as pessoas que consomem esses alimentos podem desenvolver infecções resistentes a antibióticos.” Na União Europeia estão a ser dados passos para reduzir o uso de antibióticos na pecuária.

No que diz respeito ao uso de hormonas de crescimento, de acordo com o Centro Norte-Americano para a Segurança Alimentar, algumas quintas nos Estados Unidos ainda usam rbGH (hormona do crescimento bovino recombinante) nas vacas para aumentar a produção de leite. Como resultado, tornam-se mais propensas a mastites e têm de tomar (imagina o quê?) antibióticos. Os bovinos para carne nos Estados Unidos também tomam hormonas sintéticas para impulsionar o crescimento e a produção. Contudo, o uso de hormonas promotoras de crescimento é proibido na União Europeia.

 

4. Mais nutrientes

Os alimentos biológicos contêm vitaminas (especialmente vitamina C), antioxidantes (polifenóis, carotenóides, glucosinolatos, glicoalcalóides), proteínas mais equilibradas e minerais (cálcio, magnésio, ferro, etc.) em maior teor*.

 

5. Mais sabor

Os alimentos biológicos – de origem vegetal ou animal – destacam-se pelo seu sabor. Se nunca comeste uma cenoura biológica, então não conheces o verdadeiro sabor de uma cenoura! Por favor, come uma assim que tenhas a oportunidade.

 

6. Ajuda o ambiente

De acordo com a FAO (Food and Agriculture Organization), a agricultura biológica contribui para a sustentabilidade, controla a erosão do solo, reduz o risco de poluição das águas subterrâneas, contribui para a mitigação do efeito de estufa bem como do aquecimento global e produz maior biodiversidade.

 

7. Apoia os/as agricultores/as locais

Quando compras alimentos biológicos estás a apoiar os/as agricultores/as locais e não a indústria alimentar. Eles/as escolheram um caminho mais difícil, mas também mais sustentável para ti, para mim e para todos/as no planeta.

 

Nutre o teu ser,

Natacha

 

*FERREIRA, Jorge et al. (2009). As Bases da Agricultura Biológica. Castelo de Paiva: Edibio, Edições (ed. 2012).

 

 

Pin It on Pinterest