Olá brisa do mar!

Haverá um segredo para a longevidade? Foi isso que Dan Buettner resolveu perceber. Por isso, aliou-se à National Geographic e ao National Institute on Aging e passou três anos à procura de áreas no mundo onde as pessoas estão a viver por mais tempo. No final identificou cinco lugares a que chama de Zonas Azuis (Blue Zones) e que são os seguintes:

  • Barbagia, Sardenha, Itália
  • Ikaria, Grécia
  • Península de Nicoya, Costa Rica
  • Comunidade dos Adventistas do Sétimo Dia em Loma Linda, Califórnia, Estados Unidos
  • Okinawa, Japão

Nestas Zonas Azuis as pessoas chegam aos 100 a um ritmo 10 vezes superior ao dos Estados Unidos! Por exemplo, em Sardenha é onde podemos encontrar a maior concentração de homens centenários e com uma vida ainda bastante activa (ex., vão de mota para o trabalho, cortam lenha). O seu segredo é simples: actividade física de baixa intensidade, uma alimentação principalmente à base de plantas e a integração das pessoas mais velhas na comunidade, o que se revela benéfico não só para elas, mas também para a saúde e bem-estar das crianças (chamado de “o efeito avó”).

A população mais idosa de mulheres localiza-se em Okinawa. Aliás, é também lá que se pode encontrar a mais longa expectativa de vida sem incapacidades! Para além de adoptarem uma alimentação à base de plantas, a atenção também é dada à forma como comem. Por exemplo, as suas refeições são feitas em pratos mais pequenos e param de comer quando o seu estômago está 80% cheio. Para além disso, as suas construções sociais são bem diferentes daquilo que conhecemos. Em Okinawa há grupos de apoio social, chamados moais. Cada pessoa tem o seu que a acompanha ao longo da sua vida. E, pode parecer incrível, mas não há palavra para reforma. Em vez disso encontramos ikigai que significa algo como “a razão pela qual acordas de manhã.”

Em Lona Linda, a dieta da comunidade Adventista do Sétimo Dia vem da Bíblia (leguminosas, sementes, plantas verdes) e o seu tempo para a religião é levado muito a sério. Por exemplo, todas as semanas e durante 24 horas focam-se em Deus, as caminhadas pela natureza são uma parte importante da sua religião e têm uma rede social forte. Dan conheceu pessoas como Ellsworth Whareham que, aos 97 anos, ainda fazia 20 operações mensais ao coração ou Marge Deton que, aos 105 anos, começava o dia com levantamento de pesos.

 

Então quais são os denominadores comuns destes lugares? A equipa concluiu que são 9:

1. Mover-se naturalmente: as pessoas que vivem por mais tempo não correm maratonas ou vão aos ginásios. Organizam a sua vida de forma a que estejam constantemente envolvidas em actividade física. Por exemplo, todas tendem a ter um jardim.

2. Propósito: têm vocabulário específico para o sentido de propósito, por exemplo, ikigai em Okinawa. Saber o seu propósito pode adicionar até sete anos de expectativa de vida.

3. Abrandar: o stress activa uma resposta inflamatória no nosso corpo e para lidar com ele os/as Adventistas rezam, em Sardenha há a happy hour e em Okinawa reservam alguns momentos por dia para relembrar quem já partiu

4. Regra dos 80%: em Okinawa come-se apenas até o estômago estar 80% cheio, como mencionei anteriormente. Para além disso, as pessoas nas Zonas Azuis têm a sua última refeição ao fim da tarde ou ao anoitecer sendo que é também a mais pequena do dia.

5. Preferência pelas plantas: as leguminosas são a base da alimentação da maioria dos/as centenários/as. A carne é consumida, em média, cinco vezes por mês.

6. Vinho às 5: as pessoas em todas as Zonas Azuis, excepto os/as Adventistas, bebem álcool de forma moderada e regular (1-2 copos por dia com amigos/as e/ou às refeições).

7. Pertença: a maioria dos/as centenários/as entrevistados/as (258 de 263) pertenciam a uma comunidade baseada na fé. Parece que frequentar cerimónias baseadas na fé quatro vezes por mês pode significar mais 4-14 anos de expectativa de vida.

8. Primeiro quem amamos: a família é a prioridade o que significa que as pessoas mais velhas vivem perto de ou com os/as que amam, têm um parceiro para vida (o que pode aumentar a expectativa de vida em 3 anos) e há tempo para as crianças.

9. Tribo certa: as pessoas nas Zonas Azuis nasceram em ou decidiram fazer parte de círculos sociais que promovem comportamentos saudáveis, como os moais em Okinawa.

 

No final a equipa conclui que uma pessoa comum podia aumentar a sua expectativa de vida em 10-12 anos ao adoptar o estilo de vida das Zonas Azuis.

 

O que pensas a este respeito? Há alguma mudanças que gostarias de fazer na tua vida?

 

Sorri e sê feliz,

Natacha

 

Pin It on Pinterest